223

adidas Originals mostra coleção 2014 da sua linha com Jeremy Scott

Muita gente fica esperando para ver o que a adidas Originals irá lançar com o Jeremy Scott a cada ano. E chegou a coleção de outono/inverno 2014. A parceria continua firme e forte e temos vários modelos novos de roupas, ultracoloridos, e tênis desenhados para este ano. Todos os modelos começam a sair nas lojas no dia 12 de julho (lá fora, aqui, não!)

139

223

313

jeremy-scott-adidas-originals-fall-winter-footwear-collection-1

jeremy-scott-adidas-originals-fall-winter-footwear-collection-3

jeremy-scott-adidas-originals-fall-winter-footwear-collection-4

jeremy-scott-adidas-originals-fall-winter-footwear-collection-5

jeremy-scott-adidas-originals-fall-winter-footwear-collection-6

jeremy-scott-adidas-originals-fall-winter-footwear-collection-7

3 lançamentos bizarros da Adidas

Confiram as 3 imagens abaixo:

Jeremy-Scott-x-adidas-Originals-JS-Wings-2.0-Cut-Out-01

614

199
1 – Como você já deveria saber, trata-se de um tênis resultante da parceria com Jeremy Scott. Pés ventilados, claro.

2 – Chinelinho feio pra caramba na parceria com Raf Simons, né? Vão estar disponíveis em fevereiro.

3 – O sapato é, ao mesmo tempo, bizarro e maravilhoso. Faz parte da coleção de verão de 2015 da marca em parceria com Rick Owens. Amou? Odiou? Se prepara que tem mais modelo aí (inclusive uma bota da Xuxa).

254 346 422 515 613

 

TattooTattaa-1-thumb-620x412-85371

That’s fetch: tatuagens temporárias

O lance é: se tatuar é legal, mas, às vezes, a gente pode querer desenhar algo legal na pele só por um tempinho. Achei esse site alemão, o TATTOOTATTAA (cara, tenta escrever e ler isso) que possui uns modelos de tattos incríveis e fofas e divertidas.

TattooTattaa-02-thumb-620x410-85375

É tipo tatuagem de chiclete: você aplica com um pouco de água e pode deixá-la na pele por até 7 dias. Cada uma custa US$ 4 na Etsy. Pode pedi todas?

Desculpe pela brincadeira no título. Entendedores entenderão.

4 itens para se ter no armário

O clima anda bizarro, né? Cada dia que a gente acorda, tá uma temperatura diferente lá fora. Por isso, ter algumas peças-chaves no armário é mais do que necessário. Claro, o básico: jeans, camiseta branca/preta e um tênis do dia a dia não deve faltar. Mas eu escolhi 4 peças que eu acho que todo homem deve ter no armário, para combinar com o que for (e o melhor: dá para usar todas juntas, praticamente).

Depois de uma boa pesquisada, descobri algumas roupas que eu gosto demais e não consigo largar. Aliás, são essas peças que eu acabo usando no meu dia a dia. Além de versáteis, os modelos disponíveis no mercado são lindos e dos mais variados cortes, estilos e tecidos. Com certeza, tem algo que combina contigo. Lembrando que você cria seu look da maneira que vá se sentir confortável =)

Todas as peças são fáceis de achar por aí. Você pode sair pelos shoppings e lojas da vida ou comprar roupa de moda aqui. Depois, é só começar a imaginar looks diferentes com cada uma delas. Se liga:

1 – camisa florida

3838518_OOTD_140615_0098Lookbook

2 – calça preta

3845657_BREUNINGER_140601_0210Lookbook

3 – jaqueta jeans

2706170_Appropriatebundling

4 – regata

regata

hipster

É o fim do hipster?

Segundo o The Guardian, sim: os hipsters morreram no momento em que foram rotulados como tais. Segundo a publicação, antes, quando o termo foi criado, hipster significava fazer parte de uma cultura criativa de jovens – o que era algo cool. Com o passar dos tempos, o termo virou algo perjorativo para pessoas que tinham um certo visual e estilo de vida. Hoje, ser um hipster é considerado, por muitos, um insulto.

Como ser um hipster
How to be a hipster

Com o tempo, começaram a pipocar manuais de como ser um hipster, como o acima. Para Chris Sanderson, futurologista e co-fundador da agência The Future Laboratory, explicou, de forma simples, o que aconteceu: “O hipster morreu no minuto em que o chamamos de hipster. A palavra não teve mais o mesmo significado”, explicou. Segundo Sanderson, hoje existem dois tipos de hipsters: aqueles com barba, que a gente adora odiar, e os originais. Os que a gente odeia foram inspirados nos originais e ganharam um “look comercial”, bacana, que deu certo por um tempo, mas enjoou. Eles pegaram o mindset do hipster e o evoluiram para um estilo de vida.

Quer ler mais? Clique para ver a matéria completa do The Guardian.