enhanced-25016-1405342060-15 enhanced-25016-1405342060-15 enhanced-25016-1405342060-15 enhanced-25016-1405342060-15 enhanced-25016-1405342060-15

Barbas floridas: será uma tendência?

Essa matéria do BuzzFeed mostra uma possível tendência surgindo: caras de todo o mundo estão decorando as suas barbas com flores. Ué, se a Lana pode usar na cabeça, a gente pode usar no rosto, certo?

A ideia, um tanto quanto maluca, surgiu depois de Pierre Thiot colocar coisas bizarras em sua barba. Deu tão certo que ele começou a ser copiado em todo o canto.

Coloquei mais algumas imagens pra você se inspirar e copiar:

Continue reading…

TattooTattaa-1-thumb-620x412-85371

That’s fetch: tatuagens temporárias

O lance é: se tatuar é legal, mas, às vezes, a gente pode querer desenhar algo legal na pele só por um tempinho. Achei esse site alemão, o TATTOOTATTAA (cara, tenta escrever e ler isso) que possui uns modelos de tattos incríveis e fofas e divertidas.

TattooTattaa-02-thumb-620x410-85375

É tipo tatuagem de chiclete: você aplica com um pouco de água e pode deixá-la na pele por até 7 dias. Cada uma custa US$ 4 na Etsy. Pode pedi todas?

Desculpe pela brincadeira no título. Entendedores entenderão.

hipster

É o fim do hipster?

Segundo o The Guardian, sim: os hipsters morreram no momento em que foram rotulados como tais. Segundo a publicação, antes, quando o termo foi criado, hipster significava fazer parte de uma cultura criativa de jovens – o que era algo cool. Com o passar dos tempos, o termo virou algo perjorativo para pessoas que tinham um certo visual e estilo de vida. Hoje, ser um hipster é considerado, por muitos, um insulto.

Como ser um hipster
How to be a hipster

Com o tempo, começaram a pipocar manuais de como ser um hipster, como o acima. Para Chris Sanderson, futurologista e co-fundador da agência The Future Laboratory, explicou, de forma simples, o que aconteceu: “O hipster morreu no minuto em que o chamamos de hipster. A palavra não teve mais o mesmo significado”, explicou. Segundo Sanderson, hoje existem dois tipos de hipsters: aqueles com barba, que a gente adora odiar, e os originais. Os que a gente odeia foram inspirados nos originais e ganharam um “look comercial”, bacana, que deu certo por um tempo, mas enjoou. Eles pegaram o mindset do hipster e o evoluiram para um estilo de vida.

Quer ler mais? Clique para ver a matéria completa do The Guardian.